Interpretação do leucograma

Interpretação do leucograma

Considerações sobre o Leucograma:

Em geral, um leucograma anormal permite a identificação de processos patológicos (por exemplo, inflamação), mas não permite a definição de um diagnóstico específico. No entanto, a interpretação das anormalidades leucocitárias e dos achados clínicos pode levar a um diagnóstico.

Porém, para a interpretação do perfil leucocitário de uma doença é necessário conhecer as características normais do leucograma e, a partir daí, identificar os padrões de anormalidade.

 

        NEUTROFILIA:

  • Infecção (bacteriana, micose sistêmica, protozoários)
  • Inflamação (doença imunomediada, neoplasia, trauma tecidual, necrose tecidual)
  • Demarginalização (estresse, hiperadrenocorticismo, glicocorticóides)
  • Metabólico (Uremia, cetoacidose diabética)
  • Associado à anemia regenetariva (anemia hemolítica, anemia hemorrágica)
  • Leucemia granulocítica crônica

       NEUTROPENIA:

  • Diminuição da produção – mielopatias (doença mieloproliferativa, doença linfoproliferativa, neoplasia metastática)
  • Mielofibrose
  • Induzida por fármacos (quimioterápicos, griseofulvina, cloranfenicol, sulfa-trimetoprim, azatioprina, estrógeno, fenilbutazona, fenobarbital)
  • Infecções
  • Parvovírus, ehrlichiose, FIV, FeLV (anemia aplásica, mielodisplasia, síndrome da panleucopenia-like)
  • Hiperesplenismo
  • Hipoplasia/aplasia idiopática (neutropenia cíclica, imunomediada)
  • Aumento do consumo (bacteremia, sepse, infecção sistêmica grave, endotoxemia)
  • Hipoadrenocorticismo
  • Marginalização

       Alterações morfológicas dos neutrófilos:

  • Corpúsculos de Dohle: indicativo de manifestação toxêmica discreta.
  • Basofilia citoplasmática difusa e vacuolização citoplasmática: indicativos de alterações tóxicas mais severas. Ocorre durante a infecção bacteriana severa na maioria das espécies, mas não é específica da infecção.
  • Granulação Tóxica: indicativo de severa toxemia.
  • Hipersegmentação nuclear: indica prolongado tempo de trânsito na circulação sanguínea.

 

Resposta neutrofílica nas doenças inflamatórias:

  • O número de neutrófilos encontrados no sangue reflete o balanço entre o nível de utilização (demanda tissular) e de produção e lançamento dessas células na circulação sanguínea.
  • Se a produção e o subseqüente lançamento for maior que a demanda tissular, ocorre leucocitose neutrofílica.
  • Se a demanda for maior que a produção, ocorre neutropenia.
  • Portanto, durante um processo inflamatório pode ocorrer tanto leucopenia como também leucocitose evidente.
  • A medida que a demanda tissular aumenta, pode ocorrer o esgotamento de neutrófilos segmentados na Medula Óssea e assim, começa a aparecer na circulação bastonetes, metamielócitos e até mielócitos.
  • Se o animal apresenta neutropenia e há mais de 10% de bastonetes, é indício de demanda tissular por neutrófilos.
  • A magnitude do desvio à esquerda tende a ser paralela à intensidade do processo inflamatório.

 

      LINFOCITOSE:

  • Fisiológica ou induzida pela epinefrina
  • Pós-vacinação
  • Leucemia (linfocítica, linfoblástica)
  • Estimulação antigênica crônica (doença inflamatória intestinal, colangioepatite, ehrlichiose, doença de Chagas, babesiose, leishmaniose, hipoadrenocorticismo)

 

      LINFOPENIA:

  • Induzida por estresse ou corticóides
  • Quimioterapia
  • Perda de linfócitos (quilotórax, linfangiectasia)
  • Perda da arquitetura dos linfonodos por processos inflamatórios ou neoplásicos
  • Deficiências imunológicas hereditárias
  • Doença viral (FIV, FeLV, PIF, parvovirose, cinomose, hepatite infecciosa canina)

 

Alteração morfológica dos linfócitos:

  • Linfócitos reativos: são linfócitos B capazes de produzir imunoglobulinas. Aparecem em casos de estimulação antigênica.
  • Sombras de Grumprecht: ocorre em pequenas quantidades no sangue de ruminantes. Quando associada à linfocitose é indicativo de leucemia da série linfóide.

 

       MONOCITOSE:

  • Infecções (piometra, abscessos, peritonite, piotórax, osteomielite, prostatite, Mycoplasma haemofelis, blastomicose, histoplasmose, Cryptococcus, Coccidioses, dirofilariose e outras bactérias)
  • Induzido por estresse ou corticosteróides
  • Doença imunomediada (anemia hemolítica, dermatite, poliartrite)
  • Trauma com importante lesão compressiva
  • Hemorragias em tecidos ou cavidades corporais
  • Neoplasias (necrose tumoral, linfoma, afecções mielodisplásicas, leucemias, leucemia mielomonocítica, leucemia monocítica, leucemia mielógena)
  • Pode ser observada durante as fases agudas e crônicas da doença

 

       MONOCITOPENIA:

  • Não há significado clínico.

 

Alteração morfológica dos monócitos:

  • Monócitos ativados: indica atividade fagocítica.

 

       EOSINOFILIA:

  • Enfermidades parasitárias (vermes com ganchos, dirofilárias, pulgas, filaróides, vermes redondos, carrapatos, sarnas)
  • Hipersensibilidade (DAPP, atopia, hipersensibilidade alimentar)
  • Doença infiltrativa eosinofílica (complexo granuloma eosinofílico, asma brônquica felina, gastroenterite/colite eosinofílica, infiltrados pulmonares eosinofílicos, síndrome hipereosinofílica)
  • Doenças infecciosas (toxoplasmose, processos supurativos)
  • Neoplasia (leucemia eosinofpilica, mastocitoma, linfoma, doenças mieloproliferativas, tumores sólidos)
  • Hipoadrenocorticismo
  • Prenhez

 

      EOSINOPENIA:

  • Estresse
  • Hiperadrenocorticismo
  • Terapia com glicocorticóide

 

      BASOFILIA:

  • Enfermidaedes relacionadas com produção de IgE (dirofilariose, atopia)
  • Enfermidades inflamatórias (doença do trato gastrintestinal, doença do trato respiratório)
  • Neoplasia (mastocitoma, leucemia basofílica, granulomatose linfomatóide)
  • Associação com hiperlipoproteinemia e possível Hipotireoidismo

 

      BASOPENIA:

  • Não há significado clínico.

 

Interpretação da resposta leucocitária:

 

  1. Leucocitose Fisiológica (ação da epinefrina)
    • Neutrofilia discreta, sem desvio à esquerda
    • Número de linfócitos normais ou discreta linfocitose
    • Número normal de eosinófilos e monócitos
    • Esse tipo de resposta é mais freqüente em gatinhos, potros, vacas durante o parto e em todos os animais após exercícios extenuantes

 

  1. Leucograma de “estresse” (ação dos corticóides)
  • Neutrofilia, sem desvio à esquerda
  • Linfopenia
  • Eosinopenia
  • Número de monócitos normais ou aumentados
  • Ocorre em animais com liberação endógena de corticóides, hiperadrenocorticismo ou naqueles que recebem terapia com corticóides. O pico ocorre após 4 a 8 horas da liberação de corticóides.

 

  1. Resposta Leucemóide
  • Em certas doenças purulentas, a intensa resposta leucocitária com desvio à esquerda podem incluir a presença de mielócitos, promielócitos e mielobastos no sangue. Isso é chamado de “resposta leucemóide”.

 

 

 

‹ página anterior

© 2012 - 2019 Laboratório Vidda Veterinário. Todos os direitos reservados. Weblogy Tecnologia